©  by IFAP. All rights reserved.

Por Johny Mange

 

Conclusão

              Conquanto a Internet esteja atrelada à sociedade nas partes essenciais e burocráticas do convívio social — por isso se faz jus usá-la para propagação do Evangelho (pois se sabe que a página acessada ficará congelada, a saber, sem interferências de outras páginas) — ainda assim, a Internet não deve ser usada para transgressão de modo algum. O Senhor é santo, e não compartilha com o pecado de ninguém: “Justo é o Senhor em todos os Seus caminhos, e santo em todas as Suas obras” (Sl 145.17); “Sede vós, pois, perfeitos, como perfeito é o vosso Pai que está nos céus” (Mt 5.48). Veja Colossenses 1.28; Gênesis 17.1. Conseguintemente, quaisquer sites que insultem as verdades doutrinárias, morais e éticas da Palavra de Deus são perniciosos à vida do salvo: “Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão” (1Tm 6.11).

            De nada adianta não termos televisão, porém assistirmos aos seus programas pela Internet. Não é fato que a tevê foi tirada de casa, mas ainda continua no coração? Jesus disse: “Pois onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração” (Mt 6.21).

               Igualmente utilizar-se da Internet a fito de possuir Facebook, sob o falso pretexto de evangelizar internautas — enquanto na rua não entrega um folheto, nem faz um ar-livre, nem visita lares, hospitais ou prisões — francamente, é morrer em vida! Para os tais, a sentença do Filho de Deus é esta: “Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito, e quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito” (Lc 16.10).

              O Facebook é uma cilada que Satanás elaborou. Por incrível que pareça, referente às verdades de Deus, os crentes caíram com os olhos vendados nessa armadilha e estão trancafiados à mercê do Maligno (cf. 2Co 4.4). Isso é fato, pois há provas suficientes.

          De acordo com o estudo das Universidades de Colúmbia e Pittsburgh (EUA), o Facebook deixa seus usuários mais gordos, pobres e malvados.[13] Uma pesquisa feita pela Universidade Edinburgh Napier (na Grã-Bretanha) destaca que os usuários dessa rede social ficam mais estressados e ansiosos.[14] Uma investigação realizada pela Universidade de Bergen, na Noruega, atesta que os usuários do Facebook possuem o mesmo comportamento de pessoas viciadas em drogas, pois ele já se tornou uma autêntica droga.[15] Um escritório de direito, no Reino Unido, mostra que 20% das petições de divórcio colocam a culpa das infidelidades no Facebook. Nos EUA, uma a cada cinco petições de divórcio é causada pelo uso do Facebook. A Academia Americana de Advogados Matrimoniais mostra que 80% dos advogados especializados em divórcio reportaram um aumento no número de casos devido ao Facebook; ele é a evidência de que o parceiro cometeu adultério.[16]

             Logo, este engodo do Diabo — o Facebook — é desaconselhável e incompatível com a fé que o cristão lavado e remido pelo sangue do Senhor Jesus abraçou, pois, além das comprovações dos males que produz no ser humano, tira o tempo de Deus na vida do crente. O tempo de orar, de ler a Escritura, de louvar hinos espirituais, de evangelizar é suprimido de todo pelo Facebook: “Remindo o tempo, porque os dias são maus. [...] aproveitando bem cada oportunidade” (Ef 5.16; Cl 4.5). Terá edificação alguma curtir mensagens, fotos e vídeos de outrem? É próprio do cristão tirar um selfie e postá-lo no Facebook? Portanto, Tens tu fé? [...] Tudo o que não provém da fé é pecado (Rm 14.21,23); Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: a prostituição, a impureza, a paixão, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria. Por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência (Cl 3.5,6); Abstende-vos de toda espécie de mal (1Ts 5.22); Havendo-os tirado fora, disse um deles: Escapa-te, salva a tua vida; não olhes para trás, nem te detenhas em toda esta planície. Escapa-te para os montes, para que não pereças. [...] Apressa-te, escapa-te para lá, porque nada poderei fazer enquanto não tiveres ali chegado (Gn 19.17,22).

            Por fim, deve-se ter cautela no uso da Internet (1Pd 5.8). Pode-se bloquear quaisquer sites contrários à santíssima vontade do Altíssimo, às doutrinas da Bíblia Sagrada e às posturas ética e moral do cristão devoto. A exemplo, esse site — posto na Bibliografia n.º 17 — ensina a fazer o bloqueio de quaisquer páginas contrárias à fé dos santos. Isso, pelo visto, não se faz na televisão...

               Percebe-se, no entanto, mais uma vez, a diferença entre ambas.

 

 

 

Bibliografia

 

               1 – MANGE, Johny. O Mau Caminho da Televisão. Disponível em: <http://www.igrejadafeapostolica.com/#!o-mau-caminho-da-televiso/c1nk2>. Acesso em: 5 fev. 2014.

 

    2 – A televisão e a violência: O impacto sobre a criança e o adolescente. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/psiquiatria/vio_impa.htm#tab3>. Acesso em: 30 set. 2009.

 

       3 – Estudo do BID relaciona divórcios a divórcio no Brasil. Disponível em: <http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/reporter/2009/01/30/estudo-do-bid-relaciona-novelas-a-divorcios-no-brasil.htm>. Acesso em: 31 mar. 2014.

Estudos do BID mostram que as novelas ajudaram a moldar as idéias das mulheres sobre casamento e família. Disponível em:

<http://www.iadb.org/pt/noticias/artigos/2009-01-29/novelas-brasileiras-tem-impacto-sobre-os-comportamentos-sociais,5104.html>. Acesso em: 31 mar. 2014.

 

              4 – Marionetes da Televisão. Disponível em: <http://www.secom.unb.br/unbagencia/ag0504-28.htm>. Acesso em: 5 jan. 2015.

 

               5 – apud O Mau Caminho da Televisão, idem.

 

               6 – ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, pp. 844-847, adaptado.

 

           7 – Leonard Ravenhill. Disponível em: <http://pensador.uol.com.br/autor/leonard_ravenhill/>. Acesso em: 7 jan. 2014.

 

               8 – WILKERSON, David. Famintos por mais de Jesus. 2.ª Ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p. 21.

 

               9 – apud O Mau Caminho da Televisão, id.

 

          10 – SACCONI, Luiz Antonio. Grande Dicionário Sacconi da Língua Portuguesa: comentado, crítico e enciclopédico. São Paulo: Nova Geração, 2010, p. 1192.

 

               11 – Grande Dicionário Sacconi, idem.

 

               12 – RENOVATO, Elinaldo. Perigos da Pós-modernidade. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, pp. 163,164, adaptado.

 

            13 – Facebook te deixa mais gordo, pobre e malvado. F5 – Folha – Uol, São Paulo: 6 fev. 2012. Disponível em: <http://f5.folha.uol.com.br/humanos/1181111-facebook-te-deixa-mais-gordo-pobre-e-malvado-diz-estudo.shtml>. Acesso em 9 fev. 2015.

 

    14 – Facebook causa estresse e ansiedade, diz pesquisa. Redação Galileu. Disponível em: <http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,ERT211749-17770,00.html>. Acesso em 9 fev. 2015.

 

   15 – Você está viciado em Facebook? Se está, descubra o quanto! Disponível em: <https://revistadainternet.wordpress.com/tag/brasilliss/page/3/>. Acesso em: 9 fev. 2015.

 

   16 – Um em cada cinco divórcios envolve Facebook nos EUA. Disponível em: <http://www.adonainews.com.br/2010/12/um-em-cada-cinco-divrcios-envolve-facebook-nos-eua.html>. Acesso em 9 fev. 2015.

 

       17 – Acesse: <https://duvidas.terra.com.br/duvidas/3522/posso-bloquear-o-acesso-a-determinados-sites-no-internet-explorer-8>. 

 

 

 

 

TV É PECADO, SIM; MAS, E A INTERNET?