©  by IFAP. All rights reserved.

Por Johny Mange

Exame Bíblico

           Jesus vaticinou que os pobres sempre existirão (Jo 12.8). O dever do cristão é amar o próximo como a si mesmo (Mc 12.31). Toda a Lei se cumpre nesta só expressão: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Gl 5.14). Somente é nascido de Deus quem ama o seu semelhante; aquele que não ama o próximo não conhece a Deus, porquanto Deus é amor (1Jo 4.7,8). As Escrituras ensinam que perante o Deus Altíssimo, o ser humano apenas é justificado pela graça mediante a fé (Gl 2.16; Ef 2.8,9); todavia, diante dos homens, o crente é justificado pela fé com as obras (Tg 2.15-18). A prática das boas obras faz parte da vida do verdadeiro salvo em Cristo (Ef 2.10). Aquele que se recusa a ajudar aos necessitados, quando clamar, o Todo-Poderoso não o ouvirá (Pv 21.13). Oprimir os necessitados, deixando-os à míngua, enquanto outros se satisfazem, é um insulto ao Criador (Pv 14.31). Por isso o país vive calamidades, ruínas e desgraças aos mil, pois “o que dá ao pobre não terá necessidade, mas o que esconde os seus olhos terá muitas maldições” (Pv 28.27). Quem dá ao pobre empresta ao Senhor, e Ele, riquíssimo em misericórdia, recompensá-lo-á (Pv 19.17). Aquele que faz o bem, colhe a seu tempo (Gl 6.9). A religião pura e imaculada, além de apregoar o Senhor Jesus: único meio de salvação a todos os povos (At 4.12; Hb 2.3), cuida dos desamparados (Tg 1.27).

           A Bíblia diz: “Abre a tua boca; julga retamente; e faze justiça aos pobres e aos necessitados” (Pv 31.9). Pense bem: Que valia tem os gastos absurdos em estádios de futebol, ao passo que muitos sofrem de extrema pobreza? Isso não é injustiça? O futebol degrada terrivelmente o ser humano. Para os futebolistas, organizadores e “amantes da bola” — grama, traves, brazuca (a bola da Copa), arquibancadas têm mais valor do que um ser humano feito à semelhança de Deus! (Tg 3.9). Na verdade, tudo isso é cilada, pelas quais roubam os necessitados (cf. Sl 10.9). Logo, a eles, cabe a sentença de Jeová: Se vires em alguma província opressão de pobres, e a violência em lugar do juízo e da justiça, não te maravilhes de semelhante caso; porque o que mais alto é do que os altos para isso atenta; e há mais altos do que eles (Ec 5.8).

           Segundo a revista Veja, a conta da Copa já se aproxima dos 10 bilhões de reais. ¹⁹ Haja vista, dentre as inúmeras obras sociais, o que poderia ser feito com toda essa fortuna a fim de ajudar a sociedade em geral ²º:

 

         Primeiro, 123 hospitais: Os recursos colocados nos estádios da Copa seriam suficientes para construir 123 hospitais como o Hospital Evandro Freire, inaugurado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, em março deste ano. Totalizaria, em média, 6 mil atendimentos mensais.

 

         Segundo, 149 estações de metrô: Os recursos, que estão sendo utilizados para construir os estádios da Copa, seriam suficientes para erguer 149 estações como a Estação São Benedito, em Fortaleza, além de 1.100 metros de linha férrea.

 

         Terceiro, 2.857 creches: Com o dinheiro dos estádios da Copa, seria possível erguer nada menos que 2.857 creches, atendendo 712 mil e 500 crianças.

 

         Quarto, 125 presídios: Com o dinheiro dos estádios da Copa, daria para fazer 125 presídios com capacidade para abrigar 608 detentos por unidade.

 

         Quinto, 641 mil viaturas de polícia: Seria possível adquirir 641 mil e 700 viaturas de polícia com o dinheiro que está sendo gasto nos estádios da Copa.

 

          Sexto, 20 milhões e 300 mil netbooks escolares. Seria possível, com o dinheiro consumido nos estádios da Copa, comprar 20 milhões e 300 mil netbooks para as escolas.

 

         Sétimo, pavimentação de 10 mil e 600 quilômetros de rodovias. Dos cerca de 1 milhão e 600 mil quilômetros de rodovias existentes no país, apenas 200 mil quilômetros são asfaltados. Caso fosse usado os R$ 7 bilhões injetados nos estádios da Copa, seria possível pavimentar mais 10 mil e 600 quilômetros.

 

            Ao invés dos possuídos pelo “espírito do mundo” (cf. 1Co 2.12) — que às vezes se intitulam “cristãos, mas não o são (2Co 11.13-15; 1Tm 5.6; Tg 4.4) — irem ao estádio, torcerem pela televisão, vestirem-se a rigor e apoiarem-na, deveriam seguir estas exortações: Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres: o que também procurei fazer com diligência (Gl 2.10); Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquEle que o alistou para a guerra (2Tm 2.4); Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina (2Tm 4.2). Isso é bom-senso, e não fanatismo: Aparta-te do mal e faze o bem; e terás morada para sempre (Sl 37.27). A Copa do Mundo é maligna — um instrumento do Diabo para degradar a coroa da criação: o homem (Sl 8.5-9), e valorizar monumentos, bolas, grama, traves, troféus, etc. 

         Na visão dos organizadores do Mundial, é melhor gastar quase 10 milhões com estádios do que ajudar não só os necessitados, mas fazer benfeitorias para a sociedade de forma geral. Em que a Copa do Mundo e o futebol contribuem para a humanidade? — Em nada, absolutamente nada! No entanto, o Senhor zela pela sociedade sofredora: “Levanta-te, Senhor: ó Deus, levanta a Tua mão; não te esqueças dos necessitados” (Sl 10.12).

          O Mundial, no momento, é a imagem mais exata do saco furado descrito em Ageu 1.6: Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, mas não vos fartais; bebeis, mas não vos saciais; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe salário num saco furado. Ela desvaloriza o ser humano, reduzindo-o ao nada.

 

 

 

Bibliografia

 

Almanaque Abril 2009, pp. 250, 251. Adaptado.

 

7 Almanaque Abril 2014. 40.ª Ed. São Paulo: Abril, pp. 260, 261, 690.

 

8 Almanaque Abril 2014, pp. 260, 261, 697.

 

idem, pp. 260, 261, 672.

 

¹º idem, pp. 260, 261, 683.

 

¹¹ id., pp. id., 692.

 

¹² id., pp. id., 674.

 

¹³ ibidem, pp. id., 698.

 

14 ibidem, pp. id., 687.

 

¹⁵ ibid., pp. id., 677.

 

¹⁶ ibid., pp. id., 704.

 

17 ibid., pp. id., 678.

 

18 ibid., pp. id., 695.

 

¹⁹ ZALIS, Pieter. Novos gastos elevam custo da Copa para quase R$ 10 bilhões. Disponível em: <http://veja.abril.com.br/noticia/esporte/novos-gastos-elevam-custo-da-copa-para-quase-r-10-bilhoes>. Acesso em 27 maio 2014.

 

²º O que poderia ser feito com o dinheiro dos estádios da Copa. Disponível em: <http://fotos.noticias.bol.uol.com.br/esporte/2013/04/04/o-que-poderia-ser-feito-com-o-dinheiro-dos-estadios-da-copa.htm?fotoNav=1#fotoNav=1>. Acesso em 27 maio 2014.