©  by IFAP. All rights reserved.

Por Johny Mange


QUAL É O SIGNIFICADO DO NATAL?

         Qual é o início do Natal? Ele tem bases históricas; entretanto, muitos desconhecem a sua procedência.
Vamos ler Gênesis 10.8-12:

        “E Cuxe gerou a Ninrode; este começou a ser poderoso na terra. E este foi poderoso caçador diante da face do Senhor; pelo que se diz: Como Ninrode, poderoso caçador diante do Senhor. E o princípio do seu reino foi Babel, e Ereque, e Acade, e Calné, na terra de Sinar. Desta mesma terra saiu à Assíria e edificou a Nínive, e Reobote-Ir e Calá, E Resém, entre Nínive e Calá (esta é a grande cidade)”.


         O Natal é uma das principais tradições do sistema corrupto da Babilônia.
 
    
     Quem era Ninrode? Ninrode era bisneto de Noé. O pai de Ninrode se chamava Cuxe, o pai de Cuxe era Cã; e o pai de Cã era Noé.Noé era bisavô de Ninrode.
         A Bíblia Sagrada nos afirma acerca do Dilúvio, que toda terra foi coberta pelas águas. Todos os animais morreram; tudo que tinha fôlego de vida não prevaleceu ao Dilúvio que foi mundial. As águas desceram da janela do céu e, também, subiram das fontes do abismo; assim toda terra foi coberta por água (Gênesis 7.11-12): “No ano seiscentos da vida de Noé, no mês segundo, aos dezessete dias do mês, naquele mesmo dia se romperam todas as fontes do grande abismo, e as janelas dos céus se abriram, e houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites”. 
        Depois que tudo foi destruído, ainda não havia aparecido um homem sobre a Terra com tanta sabedoria para constituir cidades sobre ela. Ninrode, bisneto de Noé, foi o primeiro homem a estabelecer cidades. Portanto, quando a Bíblia Sagrada cita Ninrode, cita-o como “poderoso”. Por 3 vezes, Ninrode é chamado de “poderoso” em apenas 2 versículos do capítulo 10 do livro de Gênesis. 
     Por que ele era poderoso? Porque ele foi um dos homens mais sábios daquele tempo. Nenhum homem tinha tido a ciência de estabelecer cidades, de fundar nações. Ninrode foi o fundador da Babilônia (Gênesis 10.10), Babel é a Babilônia. Ele também fundou a Assíria, cuja capital é Nínive. Veja a sabedoria dele: fundou a Nínive, cidade na qual Jonas não queria ir pregar!  
        A mãe de Ninrode chamava-se Semíramis. Só que aconteceu algo muito terrível: Ninrode casou-se com a sua própria mãe! Veja a promiscuidade, o pecado como já estava sobre a Terra! Até mesmo nos dias de hoje, a Lei de Deus diz que aquele que tiver caso com a própria mãe está debaixo de maldição (Deuteronômio 27.20). Então, veja a depravação de Ninrode: hoje a Lei de Deus estabelece que é amaldiçoado aquele que se deitar com a própria mãe. Logo, Ninrode estava debaixo de maldição, pois casou-se com a própria mãe e teve um filho chamado Tamuz.

         Ninrode era poderoso, homem respeitado, homem que todo mundo honrava, poderoso caçador; ele também quem fez a Torre de Babel, foi um grande arquiteto, um artífice da Torre de Babel. Ele era um homem muito famoso naquela terra, na Babilônia, da qual era fundador. A sua mãe, que era também sua mulher, Semíramis, quis aplicar a promessa de Gênesis 3.15 a ela própria! “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente: esta te ferirá a cabeça. E tu lhe ferirás o calcanhar”. 
         E ela quis aplicar esta promessa para si: “Eu sou da família de Noé, patriarca, um dos homens que Deus achou graça no mundo de pecado. Um homem que construiu a arca, que salvou 8 pessoas do Dilúvio, que são os meus antecessores. Esta promessa tem de se cumprir em mim!” Veja: ela quis decretar que o filho dela – Tamuz - com o seu próprio filho – Ninrode - era o Messias! 
       Ninrode, porém, morreu. E quando Ninrode morreu, cortaram as juntas dele: esquartejaram-no e colocaram os seus pedaços nas cidades, nas terras que ele fundou. Sendo assim, colocaram um pedaço do seu corpo na Babilônia, em Nínive, em Ereque, em Acade, em Calné, em Sinar, em Reobote-Ir, em Calá. Em suma, em todas estas terras que ele fundou, partes de seu corpo foram colocadas. A Bíblia Sagrada chega a citar sobre a morte de pessoas que foram esquartejadas ao morrer (Juízes 19.29; 1 Samuel 11.7). 
          Então, ele sendo esquartejado, a sua mãe e mulher, Semíramis, pegou Tamuz, seu filho que ficou vivo, e o levou para uma mata. Cortou o filho inteiro com faca, raspou a pele com faca e disse que o seu filho foi mordido por um javali. Ela chegou a matar a criança esfaqueada! Levou o filho morto diante do povo e o levantou. Convocou toda a população e afirmou que Ninrode havia voltado e tinha sido reencarnado naquela criança. 

          É nítido que a doutrina da reencarnação não é uma doutrina nova! Allan Kardec é o codificador do Espiritismo, ele somente separou o Espiritismo por códigos, ou seja, o regulamentou. Por exemplo: o que é necromancia, o que é contato com os mortos, o que é mediunidade, o que é reencarnação. Mas a doutrina espírita é antiga, é a doutrina da serpente do Jardim do Éden: “Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis” (Gênesis 3.4).
         A doutrina da reencarnação diz que a alma da pessoa fica vagando e volta em outra carne para a pessoa pagar tudo o que fez na outra vida. Esta doutrina é condenada pela Bíblia: ninguém morre 2, 3 4, 5 vezes... O homem só morre 1 vez! Esta é a doutrina de Deus (Hebreus 9.27; Salmo 78.39). 
       Entretanto, Semíramis disse que aquele menino morto, Tamuz, era o próprio Ninrode reencarnado e que ele tinha se tornado um deus. Assim, ela apontou para o Sol e, quando fez isso, ela disse: “Ele é aquele ali: o Sol!” Nisto, houve o começo do culto ao Sol; ao deus Sol, ao deus da feitiçaria babilônica; ao deus da magia negra babilônica; ao deus da bruxaria babilônica. Ela disse que Ninrode havia se reencarnado e se transformado no Sol. Lembrando que a depravação já é notória porque foi um filho de maldição da própria mãe com o seu filho: Ninrode era pai e tio daquela criança, e Semíramis era mãe e avó!


       Aí, começou a adoração ao deus Sol. E qual foi a data que foi fixada o nascimento do Sol? Foi o dia 25 de dezembro!

        
Então, 25 de dezembro foi colocado como nascimento do deus Sol que nasceu através de uma promiscuidade: a mãe que teve caso com o próprio filho! 

           Esta criança foi denominada como deus Sol depois de muitas coisas mentirosas como já vimos no início deste estudo. E todo dia 25 de dezembro, as mulheres colocavam a imagem do Sol nas portas das cidades e começavam a chorar pedindo o nascimento do Sol (Ezequiel 8.14-16)
          Como passou a ser a data comemorativa do nascimento do deus Sol, todo dia 25 de dezembro, as mulheres choravam na entrada da cidade e viravam as costas para o templo de Deus para adorarem o deus Sol, que era Tamuz. E esta idolatria se espalhou para outros países, para outras cidades. O povo começou a fazer imagem da mãe com a criança. Aí nasceu o “mistério da mãe da criança”: nasceu na Babilônica através da mãe que se casou com o próprio filho! Então, o povo começou a fazer imagens de Semíramis e Tamuz, porque acreditava que Tamuz era reencarnação de Ninrode e havia se transformado no deus Sol.
           Sendo assim, o povo babilônico tinha imagens dentro de casa de uma mãe com a criança. E isso se espalhou: 


           Babilônia: Semíramis (mãe) e Tamuz (filho);

           Canaã: 
Astarote (mãe) e Baal (filho);

           Egito: 
Ísis (mãe) e Hórus (filho);

           Roma: 
Cibele (mãe) e Júpiter (filho);

           Grécia: 
Afrodite (mãe) e Eros (filho).

         
O mistério da mãe e da criança se espalhou pelo mundo. E na Igreja Católica é Maria com Jesus no colo dela. Choca até mesmo a pessoa, dá um impacto, porque a mãe com o rosto de misericórdia, o filho piedoso olhando para a mãe. Quem não se comove? É uma coisa até bonita aos nossos olhos! Mas é horrível aos olhos de Deus porque é idolatria de Satanás, afinal veio da Babilônia! (Leia Jeremias 27.14,22; 51.24,35; Isaías 13.19).
        Como citamos, na Igreja Católica o mistério da mãe e da criança foi incorporado porque é proveniente das culturas pagãs: da Babilônia que se alastrou! Então, temos os exemplos: a Senhora da Cabeça - que eles chamam Nossa Senhora (que tem um menininho nos braços e tem uma cabeça na mão dela); a Senhora do Perpétuo Socorro (ela tem a roupa azul e tem uma criança no braço dela); a Senhora do Escapulário do Carmo – é mais conhecida como Senhora do Carmo (ela tem uma roupa bege e marrom e tem um menininho no braço dela com o escapulário). Escapulário é uma correntinha que tem Jesus à frente e Maria atrás; a Senhora do Monte Serrat (ela está sentada num trono e tem um menininho no braço dela); a Senhora da Abadia (ela está com a mão estendida e tem um menino no braço dela); a Senhora da Lapa (ela tem a roupa azul e tem uma criancinha no braço dela); a Senhora do Rosário de Pompéia (ela tem um rosário na mão e no outro braço, ela está segurando uma criança); a Senhora do Bom Parto (ela é fortinha porque representa o parto, como uma mulher grávida, e tem um menininho no braço dela); a Senhora do Desterro (ela está sentada num jumentinho com Jesus no colo dela); a Senhora da Defesa (está com a espada em uma mão e na outra mão, está segurando Jesus. Então, aí está a idolatria: isto são alguns casos de milhares de idolatria da Igreja Católica, os quais são provenientes da Babilônia, do mistério da mãe e da criança.

       Desde que Jesus andou aqui na Terra, o Diabo quis levantar um culto a Sua mãe. O culto à Maria chama-se Mariolatria. O que é Mariolatria? É a idolatria à Maria, é a adoração à Maria! E no tempo de Jesus, Ele deu o ensinamento de que o espírito mau quando sai do homem, ele procura lugares para si, ele fica rodeando coração para poder entrar. Aí, levantou-se uma mulher para fazer a Mariolatria ser vigorada no meio do povo de Deus: “E aconteceu que, dizendo ele estas coisas, uma mulher dentre a multidão, levantando a voz, lhe disse: Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste” (Lucas 11.27). Então, esta mulher já queria idolatrar à Maria! Mas Jesus respondeu a ela: “Antes bem-aventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam” (Lucas 11.28). O povo de Deus, aquele que aceita a Jesus, ele é mais bem-aventurado do que Pedro, João, Tiago, Madalena, Maria, Joana, Susana. Por quê? Porque estas pessoas viram Jesus, elas andaram com Jesus e hoje não: Nós acreditamos em Jesus sem vê-lo mas contemplamos as Suas obras (Leia João 20.29).
         Portanto, aquele que crê em Jesus Cristo hoje, que O aceita como Salvador, obedece à doutrina de Sua Palavra é bem mais aventurado do que os apóstolos e do que a própria mãe de Jesus! E Maria deixou um mandamento, somente um mandamento, que chamamos de “Mandamento de Maria” (Jo 2.5): “Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo que Jesus vos mandar”.
 Este é o mandamento de Maria: fazer tudo o que o Filho de Deus mandar!

O PAGANISMO DO NATAL