©  by IFAP. All rights reserved.

Por Johny Mange

 

Resposta às objeções dos que negam a salvação na Grande Tribulação

 

       Os que negam a salvação na Grande Tribulação apresentam vários argumentos a fim de sustentarem sua tese. Na verdade, por conta do desespero e da carência de subsídios bíblicos, sacrificam textos da Palavra adaptando-os à interpretação que possuem com o intuito de salvarem a imagem do líder deles. Porém, tais objeções são incoerentes e não resistem à exegese e à interpretação dos fatos escatológicos do mapa profético exarado na Bíblia. Quando tudo é posto em seu devido lugar, é visto o ridículo, o comportamento estúpido e a capacidade limitada de entender as coisas.

     Na igreja à qual pertenci, a caso de contraporem-me, enquanto disciplinado, tais argumentos foram apresentados por duas irmãs no programa de rádio, nas transmissões radiofônicas pelo líder, nas convenções por um professor universitário, etc. O que me deixa estupefato é a incapacidade dos líderes dessa denominação utilizarem as suas capacidades racionais, enganando-se quanto à qualidade dos seus conhecimentos, tomando por verdade o que não passa de um erro ou falácia, expondo-se à vergonha, à crítica e ao ridículo; com efeito, faltam-lhes total e completo conhecimento e instrução!

         Falsas doutrinas que são proclamadas publicamente a partir de uma plataforma — como de um púlpito, de um programa de rádio — de acordo com o padrão do Novo Testamento, devem ser publicamente confrontadas. O apóstolo Paulo confrontou Pedro publicamente quando as ações dele comprometeram a liberdade do Evangelho (Gl 2.11-14). Ele tratou publicamente com Himineu e Alexandre o assunto concernente à blasfêmia que cometeram (1Tm 1.20). Ele tratou publicamente com Alexandre, o latoeiro, por suas atividades danosas (2Tm 4.14). O apóstolo João tratou publicamente com Diótrefes, que propagava falsas doutrinas e se recusava a ouvir o que João e outros líderes cristãos tinham a lhe dizer (3Jo v.9).17 Logo, a Bíblia é a palavra final de tudo, e Ela, que interpreta a Si mesma (Is 28.10), é quem diz: “Para que em nós aprendais a não ir além do que está escrito” (1Co 4.6).

        A seguir, apresento a análise e a resposta bíblica a todos os 10 argumentos citados pelos que ensinam que não haverá oportunidade de salvação após o Arrebatamento da Igreja. Há de ser visto, portanto, “quem está pregando doutrina nova”, “quem foi enganado pelo Diabo”, “quem é falso profeta”, “quem é divisor”, “quem pregou doutrina falsa e enganosa”.

        Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz, e não vem para a luz para que as suas obras não sejam reprovadas. Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus (Jo 3.20,21). Quem está com a verdade não teme!

 

 

 

1.º Argumento

Em Apocalipse 7.14, a Grande Tribulação não representa um evento futuro que virá sobre a Terra, porém apenas faz alusão aos terríveis sofrimentos e martírios dos cristãos dos dias dos apóstolos?

 

2.º Argumento

     Mas, afinal, Apocalipse 7.14 refere-se às tribulações, lutas, aflições e amarguras que os crentes passam atualmente ou faz alusão à Grande Tribulação, descrita no Apocalipse para o fim dos tempos?

 

3.º Argumento

É verdade que Apocalipse 7.14 diz que a grande multidão virá “de” grande tribulação, e não “da” Grande Tribulação; portanto, não haverá oportunidade de salvação após o Arrebatamento da Igreja?

 

4.º Argumento

É verdade que, segundo Lucas 21.24, estamos a viver nos “tempos dos gentios”; por isso, após o Arrebatamento da Igreja, não haverá mais chance de salvação aos gentios, mas somente terão oportunidade de salvação os judeus?

 

5.º Argumento

Escutei dizer que não haverá salvação na Grande Tribulação, pois após o fechamento da porta da arca, que Deus havia ordenado Noé fazer, ninguém mais se salvou. Assim será também na Vinda de Jesus. Isso está certo?

 

6.º Argumento

Muitos presumem que não haverá salvação na Grande Tribulação, porquanto após Ló ter saído de Sodoma, caiu uma chuva de fogo do céu e consumiu a todos. Assim será também na Vinda de Jesus. Isso está certo?

 

 

7.º Argumento

“Quando, porém, vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (Lc 18.8) — este texto prova que não haverá chance de salvação após o Arrebatamento da Igreja, uma vez que na Grande Tribulação ninguém terá fé para salvar-se?

 

8.º Argumento

“E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta” (Mt 25.10) — essa passagem, na Parábola das 10 virgens, é uma prova fatal de que a porta da salvação será totalmente fechada após o Arrebatamento?

 

 

 

9.º Argumento

É verdade que não tem como haver salvação na Grande Tribulação, pois o ser humano a obteria com seu próprio esforço, anulando, assim, o sacrifício de Jesus na cruz?

 

 

10.º Argumento

É verdade que, por causa do Arrebatamento, o Espírito Santo desaparecerá deste mundo, subindo aos Céus com a Igreja; por consequência, como é Ele quem faz o homem arrepender-se, não tem como haver nova oportunidade de salvação na Grande Tribulação?

 

 

Voltar à Página Principal

 

Bibliografia

 

GEISLER, N. L.; RHODES, R. Resposta às Seitas: Um manual popular sobre as interpretações equivocadas das seitas. 2.ª Ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, pp. 194, 195.

Os Santos da Tribulação