©  by IFAP. All rights reserved.

O MAU CAMINHO DA TELEVISÃO

 

Por Johny Mange

 

 

Introdução

 

             Se a geração dos dias dos apóstolos já estava pervertida (At 2.40), quanto mais a geração dos dias atuais! Nunca, em toda a história, houve uma geração tão incrédula, prevaricadora, desumana e contra Deus quanto a nossa!

             O materialismo, o ceticismo, a libertinagem, o ateísmo, as religiões não cristãs, as seitas, a pérfida espiritualidade, as filosofias e a chamada “falsa ciência” crescem espantosamente em todo o mundo. O binômio certo-errado findou-se! Atualmente, tudo é “correto”, conforme à maneira de cada um. Não há mais restrições, nem lei, nem ética, nem moral, nem padrão regulamentador...

              Por consequência, haja vista a igreja fria, mundana, liberal, caótica dos dias de hoje. O Adversário está mangando dos crentes. A oração, o jejum, os hinos sacros (não essa parafernália que cantarolam por aí), o estudo da Palavra, a evangelização, os ar-livres, o acompanhamento aos novos convertidos, a manifestação genuína dos dons — tudo isto, tal e qual na Igreja Primitiva, cessou na igreja da época presente. Muitos nunca experimentaram o verdadeiro encontro com Deus, nem provaram do dom celestial, nem foram participantes do Espírito Santo e das virtudes do século vindouro... É uma lástima! Caso tivessem, teriam aversão aos pratos malignos que há no mundo, e não o amariam (1Jo 2.15).

              Por que a sociedade está tão alheia à vontade e aos mandamentos do Senhor Jesus? Sabe-se que crentes cheios do Espírito Santo e transbordantes da unção divina tendem a pôr o mundo de cabeça para baixo! (At 17.6; Mt 21.25,26; At 4.5-31). E por que isso não ocorre presentemente? Dentre os muitos fatores que tardam o pleno avivamento para esta geração, a televisão é um deles!

            Neste estudo, ver-se-á como a TV é perniciosa ao salvo. Mesmo com a vinda da Internet, ainda a televisão atrai e exerce poder sobre o ser humano. A tevê é um modo traiçoeiro de idolatria e da penetração da doutrina de Satanás no homem. Quem está diante dela, consome todas as imundícias da mesa do Diabo, o que, fatalmente, deixa em agonia o coração de Deus.

 

 

 

1 — ATÉ MEADOS DE 1950, PROIBIA-SE O RÁDIO NAS IGREJAS

 

           A maioria das igrejas evangélicas repudiava o aparelho de rádio porque toda sorte de mundanismo era transmitido por ele, resultando em enfraquecimento na fé, em falta aos cultos e até o desvio de muitos crentes do caminho do Senhor. Por meio do rádio, transmitiam-se músicas seculares, partidas de futebol, luta livre, seriados, e, principalmente, as novelas que prendiam as pessoas em um mesmo horário todos os dias, para saberem os acontecimentos das personagens e o desenrolar dos enredos novelísticos.

          Só a Rádio Nacional, entre 1943 e 1945, levou ao ar mais de 116 novelas, e, em 1946, 20 novelas de meia hora diárias, dentre as quais “Sua Vida me Pertence”, “O Fio da Meada”, “A Moça que Veio de Longe”, “Direito de Nascer”, “Alma Cigana”, “A Deusa Vencida”, etc.

            Por conta dessas coisas, os crentes que possuíssem rádios eram disciplinados e até excluídos de todas as atividades das igrejas nas quais congregavam. Os pastores e anciãos (antigo nome dado aos presbíteros até 1960) o chamavam de “caixote do Diabo” ou “caixa mágica de som”.

 

             a) A Chegada da Televisão no Brasil. Em 18 de setembro de 1950, é inaugurada, em São Paulo, a TV Tupi-Difusora, canal 3, a primeira emissora da América Latina. A iniciativa é do empresário Assis Chateaubriand, fundador e proprietário dos Diários e Emissoras Associados, então a maior rede de jornais e rádios do país.[1]

             Conquanto a tevê tenha chegado em 1950 em solo brasileiro, apenas os ricos ou endinheirados a possuíam. Mas a sua disseminação ocorreu de 1960 em diante, pois as famílias mais pobres obtiveram condições de comprar televisores. Apareceu um — que em vista do rádio — era chamado de “demônio quadrado” pelos crentes.

 

          b) As igrejas passam a utilizar o rádio na pregação do Evangelho. O rádio passou a ser usado na evangelização, visto que, todo o conteúdo imoral, demasiadamente, transportou-se à televisão. O rádio não mais repercutiu. A tevê, em poucos anos, absorveu a maior percentagem de imoralidades existentes nos programas radiodifusores, restando nestes poucos programas escandalosos. A partir daí, deu livremente para falar da Palavra de Deus e ganhar almas para Jesus por meio dos programas radiofônicos.

            Em 2 de janeiro de 1955, Lawrence Olson lançou o programa “Voz das Assembleias de Deus”, na Rádio Tamoio, que, nos anos seguintes, também passou a ser transmitido pelas rádios Mayrink Veiga, Tupi, Relógio, Copacabana, Boas Novas e Universo, de Curitiba. Várias dessas emissoras transmitiam sua programação em ondas-curtas, permitindo que o Programa de Lawrence Olson fosse sintonizado em todo o Brasil.[2]

           Manoel de Melo, fundador da Igreja “O Brasil Para Cristo”, percebendo o potencial do uso do rádio para atrair gente para a primeira tenda de sua igreja, erguida no início de 1956, criou o Programa “A Voz do Brasil Para Cristo”, levado ao ar pela Rádio Piratininga, de São Paulo.[3]

         Por volta de 1960, Harold Willians, fundador da Igreja do Evangelho Quadrangular, no Brasil, apresentava o programa “Visita ao seu Lar”, pela Rádio Difusora, em São Paulo.[4]

              No princípio de 1961, quando o pastor batista Enéas Tognini, já batizado no Espírito Santo, começava a se tornar o principal expoente da mensagem da renovação espiritual no Brasil, ele iniciou, em São Paulo, pela Rádio América, o programa chamado “Renovação Espiritual”.[5]

              Em 1962, o jovem David Miranda, com três anos e oito meses que se havia convertido do Catolicismo (em cujo era congregado mariano, isto é, participante desse instituto religioso clerical fundado na Polônia, em 1673, no qual se dedicava ao apostolado sob a invocação de Maria), após haver passado pela Igreja Maravilhas de Jesus (do Pr. Leonel Silva), pela Igreja Pentecostal Jerusalém e Cura Divina (do Pr. Antônio Freitas), por um Ponto de Pregação da Congregação Evangélica Cristã de Piquete (do Rev. Pedro Apolônio de Barros, da qual o Miranda saiu juntamente com a sua família e o Pr. Roberto Anézio ­— então dirigente do trabalho —  por pregarem a doutrina da cura divina) e pela Igreja Pentecostal do Brasil (fundada pelo Pr. Roberto Anézio), recebe uma revelação do Senhor e funda, assim, a Igreja Pentecostal Deus É Amor.[6] O jovem Miranda já sabendo do uso do rádio na pregação do Evangelho, uma vez que as outras denominações pentecostais — principalmente as do movimento de cura — utilizavam-no e obtinham excelentes resultados, ao abrir as portas da novel denominação, iniciou desde já o “primeiro programa radiofônico “Deus É Amor” que foi transmitido pela Rádio Industrial, no bairro Butantã, São Paulo — Capital, com duração de 15 minutos, durante 3 vezes por semana”. Em 1965, o Programa “Deus É Amor”, sob revelação do Senhor ao Pr. David Miranda — na altura este ainda não havia sido denominado “Missionário” —, passa a chamar-se “A Voz da Libertação” por causa das “curas e milagres ocorridos”.[7]  

 

                                                                     

 

 2 — A ORIGEM DA TELEVISÃO

 

               A televisão é resultado de uma sequência de descobertas que tiveram início em 1873, com a variação da condutividade elétrica do selênio, quando exposto à luz, seguida da invenção do tubo ou válvula eletrônica, da teoria do efeito fotoelétrico de Einstein em 1905, etc.[8]

              Nas décadas seguintes, vários cientistas contribuem para aperfeiçoar a tecnologia, entre eles os norte-americanos G.R. Carey (1875) e Philo T. Farnsworth (1928) e o russo Vladimir Zworykin (1923).[9]

              Na década de 1930, começava a nascer a televisão tal qual a conhecemos hoje, para se desenvolver rapidamente ao final da II Guerra Mundial.[10] As primeiras emissoras passam a transmitir nos Estados Unidos a partir de 1931.[11]  A televisão em cores surgiu em 1953.[12]  

 

 

 

3 — O MAL SE ESPALHOU RAPIDAMENTE

 

          Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), haja vista a evolução dos televisores nos domicílios brasileiros nos últimos anos:

              1960 — 600 mil;[13]

              1970 — 4 milhões;

              1980 — 14 milhões;

              1990 — 26 milhões;

              1995 — 31 milhões;

              1999 — 38 milhões;[14]

              2000 — 39 milhões;[15]   

              2011 — 59 milhões.[16]

 

        Concomitantemente, cumpre-se 2Timóteo 3.13: “Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados”.

 

 

 

4 — A BÍBLIA CONDENA A TELEVISÃO

 

           Deuteronômio 7.26 Não porás, pois, abominação em tua casa, para que não sejas anátema, assim como ela; de todo a detestarás, e de todo a abominarás, porque anátema é. O contexto, da passagem em apreço, diz respeito ao pecado de idolatria. Abominação é um ato revoltante, detestável e horroroso diante do Todo-Poderoso. Idolatria é tudo o que toma o primeiro lugar de Deus no coração do homem (Mc 12.29,30). Peremptoriamente, a televisão passou a ser um ídolo na vida do ser humano a ponto de não conseguir ficar sem ela (Cl 3.5). O tempo de orar, de ler a Bíblia, de louvar, de evangelizar, de cultuar ao único e verdadeiro Deus é tirado pela televisão (Ef 5.16); portanto, é um ídolo — abominação dentro das casas, que deve ser tirado.

            A televisão é mais importante do que a geladeira? Categoricamente, a tevê é um ídolo presente nas casas; pode faltar tudo, menos o televisor!... Muitos dizem que não conseguem, de forma alguma, viver sem ela. Assim como as religiões pagãs prestam cultos às suas falsas divindades (cf. Rm 1.21-25), a humanidade dispensa culto, tempo, disposição, ansiedade, vibrações, apego excessivo — subentende-se que tudo engloba adoração — à televisão.

          Como exemplo, os brasileiros preferem televisão à geladeira. Eles podem viver sem geladeira, mas nunca sem o televisor: “O número de domicílios particulares que têm pelo menos um aparelho de televisão em casa ainda supera o [número de domicílios] dos que têm geladeira, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2011, 59,4 milhões de lares tinham televisão – [correspondente a] 96,9% do total. Já o número dos que tinham geladeira era de 58,7 milhões ([o que corresponde a] 95,8%).”[17]

              Observe como a televisão é uma forte idolatria — símbolo de afronta ao único e verdadeiro Deus —, porquanto ela está sobressaindo excessivamente mais importante do que a própria geladeira, que conserva os alimentos. Logo, a recomendação de Deuteronômio 7.26 é de suma importância.

 

              Salmo 101.3 — Não porei coisa má diante dos meus olhos. Odeio a obra daqueles que se desviam; não se me pegará a mim. Não é permitido nem pôr diante dos olhos, quanto mais possuir um aparelho transmissor de cenas de sexo, de infidelidades conjugais, de relações e/ou desejos antinaturais, de violências — físicas ou morais — veiculadas pelos filmes, desenhos, telenovelas, emissões televisivas, reality shows, notícias jornalísticas, etc., uma vez que tais recepções televisivas influenciam atos e comportamentos na sociedade.

 

             Isaías 33.15,16 — O que anda em justiça, e o que fala com retidão; o que rejeita o ganho da opressão, o que sacode das suas mãos todo o presente; o que tapa os seus ouvidos para não ouvir falar de derramamento de sangue e fecha os seus olhos para não ver o mal. Este habitará nas alturas; as fortalezas das rochas serão o seu alto refúgio, o seu pão lhe será dado, as suas águas serão certas. Até os telejornais não escapam. Eles somente mostram destruição, mortandades (que são grandes números de mortes por peste, poluição, envenenamento, guerra, acidente, terremoto, etc.), sangue e causas de morte; por conseguinte, a sociedade fica sensível, vive aterrorizada, amedrontada e insegura, a deixar de confiar no Deus vivo e protetor, que, além de tudo, ainda blasfema d’Ele, culpando-O por tais atrocidades (cf. Sl 4.8; Lm 3.39-42; Sl 10.3,4).

 

              Mateus 6.22,23 — A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz. Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas! Por meio dos filmes, das novelas, dos telejornais e até através de um comercial ou de uma cena pecaminosa que o crente vê, todo o seu corpo fica imundo e condenado — isto em poucos segundos. Quando uma mulher (por intermédio da tevê) contempla um homem desnudo — ou exatamente nu —, em muitos casos, ela deseja tê-lo, pois foi estimulada sexualmente. O mesmo se dá com um homem que contempla (através da televisão) uma mulher de biquíni, desnuda ou propriamente nua, ele é excitado a possuí-la sexualmente. Ora, esse procedimento é posto em xeque defronte às palavras do Senhor Jesus: “Qualquer que atentar numa mulher, para cobiçá-la, já em seu coração cometeu adultério com ela” (Mt 5.28). Por isso, a TV é um esgoto que jorra imundícia, prevaricação, devassidão, depravação, pecados e maldição dentro do lares, de sorte que os “crentes” telespectadores caem de boca e bebem suas águas sujas e podres; conseguintemente, seus corpos ficam putrefatos nas trevas do pecado e do inferno! Não há escapatória: por meio da televisão, os olhos ficam “cheios de adultério e não cessam de pecar” (2Pd 2.14). Jesus virá subitamente, ou seja, inesperadamente. E se o Filho de Deus apanhar os crentes vendo tais cenas em comerciais, filmes, novelas, etc., que somente por olharem e desejarem, cometem adultério, segundo o próprio Cristo: será que subirão? Tem como o cristão estar vigiando, em frente à televisão, quando Jesus vier? (Mt 24.43,44).

 

             Marcos 9.47 — E, se o teu olho te escandalizar, lança-o fora; melhor é para ti entrares no Reino de Deus com um só olho do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno. Mesmo os evangélicos dependurados na TV, escandalizam-se pelos horrores que ela transmite. A sutileza de Satanás é notória na televisão, e até nos comerciais televisivos: “No meio publicitário, é considerada antiética e até proibida a propaganda subliminar [...] mas há formas sutis de propaganda subliminar, que podem vender tudo — ideias, conceitos, ideologias, desejos — sem que nenhuma lei possa impedir” (A Tribuna, de Santos — 12 jul. 1989). De fato, “mensagem sublimar” é tática do gênio do mal, Satanás, uma vez que ele tem esse hábito, a exemplo, transfigura-se em anjo de luz para enganar (2Co 11.14).

            O sexo, a depravação e a corrupção moral presenciam-se em todas as partes dela. Em um simples comercial as cenas de nudez aparecem; por isso, ocorre a erotização do ambiente, em que adolescentes, jovens e até muitos casados não seguram os ardentes e constantes desejos sexuais — contrários à natureza, à ética e à moral — deixando-se dominar pelo libido, porquanto buscam incessantemente e sem pudor os prazeres eróticos, a ponto de apagar qualquer consciência moral. Uma verdadeira devassidão! A casa do tal crente se transforma, sem rebuços, num departamento de Sodoma e Gomorra! Obras da carne que condenarão muitos ao suplício eterno (Gl 5.19-21; Ap 21,8).

 

            1Coríntios 10.23 — Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm: todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam. É lícito qualquer pessoa possuir TV, entretanto, ela convém a um remido pelo sangue de Cristo? Em massa: ela edifica em seus programas? Há partes necessárias à vida, ou seja, partes vitais, essenciais, indispensáveis e fundamentais que agreguem a tevê à sociedade? E mais: Em partes indispensáveis do ser humano, será que a televisão está-lhe ligada? É indispensável o uso do televisor à humanidade, ou dar para viver sem ele? Pois é... Em tais condições, pois é sabido e comprovado que a televisão não é inerente às condições do homem, atenha-se ao conselho do Senhor em Tiago 3.11 e 12.

 

            1João 2.15,16 — Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo — a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida — não é do Pai, mas do mundo.

 

             Tiago 4.4,5, na Tradução Brasileira [18] — Adúlteros, não sabeis que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Acaso, não julgais que é em vão que a Escritura diz: Com zelos anela por nós o Espírito, que Ele fez habitar em nós?

 

 

5 — PESQUISAS CIENTÍFICAS REVELAM OS MALES CAUSADOS PELA TELEVISÃO À SOCIEDADE E À FAMÍLIA

 

a) A violência na TV provoca no telespectador comportamento agressivo

            Nos Estados Unidos, país com o maior número de aparelhos [televisores] por habitante, a autoridade máxima de saúde pública do país (Surgeon General) já afirmava em comunicado à nação, no ano de 1972: “A violência na televisão realmente tem efeitos adversos em certos membros de nossa sociedade”. Desde então, a literatura médica já publicou sobre o tema 160 estudos de campo que envolveram 44.292 participantes, e 124 estudos laboratoriais com 7.305 participantes. Absolutamente todos demonstraram a existência de relações claras entre a exposição de crianças à violência exibida pela mídia e o desenvolvimento de comportamento agressivo [...] A partir de 1975, os pesquisadores passaram a acompanhar um grupo de 707 famílias, com filhos entre um e dez anos de idade. No início do estudo, as crianças tinham em média 5,8 anos e foram seguidas até 2000, quando atingiram a média de 30 anos [...] os autores verificaram que [...] o número de horas que um adolescente com idade média de 14 anos fica diante da televisão, por si só, está significativamente associado à prática de assaltos e à participação em brigas com vítimas e em crimes de morte mais tarde, quando atinge a faixa etária dos 16 aos 22 anos [...] Conclusões idênticas foram tiradas analisando-se o número de horas que um jovem de idade média igual a 22 anos (homem ou mulher) dedica a assistir à televisão: quanto maior o número de horas diárias, mais frequente a prática de crimes violentos. Entre adolescentes e adultos jovens expostos à TV por mais de três horas por dia, a probabilidade de praticar atos violentos contra terceiros aumentou cinco vezes em relação aos que assistiam durante menos de uma hora.[19]

 

 

Exame Bíblico

             “Não cobices os seus manjares gostosos, porque são pão de mentiras” (Pv 23.3), haja vista o banquete satânico que é oferecido às crianças e aos adolescentes que ficam horas diante da televisão. Depois de se saciarem de suas iguarias diabólicas, são incitados por ela a cometer crimes, atos violentos, comportamento agressivo, brigas e atos de morte — consoante a pesquisa em apreço. Quem é a causa de tudo isso? — A televisão! Através dela, as crianças e os adolescentes são “alimentados pela maldade e embriagados pela violência” (Pv 4.17). Eles se tornam instrumentos do Diabo e agentes das forças malignas por assistirem à tevê. 

           Crimes, violências e atos de morte cheiram mal às narinas de Deus (Gn 6.11). Os filhos devem ser ensinados nos padrões estabelecidos pela Palavra do Senhor: “Criai-os na doutrina e admoestação do Senhor” (Ef 6.4). Os pais precisam ensinar seus filhos a reter as verdades do Evangelho, pois a responsabilidade é deles! (cf. Pv 4.3,4). Os filhos têm de conhecer o Deus de seus pais, não apenas isso; entretanto, servi-Lo com coração perfeito e alma voluntária (1Cr 28.9). Todavia, isso há de ser possível se estiverem aos caprichos da TV?

            Os pais que expõem os filhos aos manjares maléficos oferecidos pela televisão, não esperem um dia ter um pregador, um homem de oração, um cristão devoto e piedoso dentro de casa, mas, dentre muitos males, poderá ter um cometedor de crimes e/ou de atos violentos; um filho com comportamento agressivo, briguento e feitor de atos de morte...