Lucélia: Impactada pelo poder de Deus

Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia
Evangelização em Lucélia

Uma tremenda evangelização foi feita na Cidade de Lucélia, Interior do Estado de São Paulo. A Cidade, consoante o "Censo Populacional 2010", do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), possui em torno de 19.885 habitantes. É cognominada "cidade da amizade". Na avenida principal de Lucélia, o Evangelho de Cristo foi pregado. O Coop. Bruno Tiveron abriu o culto. Iniciou-o com uma oração profética, isto é, que revelava e sanava a necessidade daqueles que passavam e dos que, parados, ouviam. Seguidamente, entoou os hinos da Harpa Cristã, enquanto o Dc. Johny Mange tocava o seu trombonito e o Coop. Jonatas Alves soava o seu trompete. Por conseguinte, as lojas, os passantes, o tráfego contínuo de Lucélia ficaram atônitos pelos louvores que lhes tocavam o profundo do Espírito! Era a impetração da Palavra Divina aos corações tristes, apequenando-os a fim de que recebessem o Grande Eu Sou - o Senhor Jesus (Jo 8.58) e aceitassem o Seu sacrifício vicário: a única forma de o homem salvar-se (Rm 10.9,10). Pessoas paravam nas calçadas e acompanhavam veementemente o culto. Chegaram até a pedir hinos da Harpa Cristã; um deles foi o número 15 - "Conversão". Consequentemente, vários textos foram citados pelos três servos de Deus, a aludir a importância de receber o Salvador Jesus e o que tal recepção trará para cada vida. Por último, o Dc. Mange leu Provérbios 14.9, que diz: "Os loucos zombam do pecado...". Ele acentuou que a maioria das seitas e religiões nega a existência do pecado, mas, segundo ele, qualquer pessoa que possua bom-senso, não apenas os religiosos, psicólogos e sociólogos, admite um erro existente no homem, que o impossibilita de ajustar-se consigo mesmo e com os outros. Com efeito, esse erro é chamado na Bíblia de "pecado". Dessarte, verbalizou que a única forma de o ser humano libertar-se do pecado e receber a purificação, é através do sangue imaculado do Filho de Deus (1Jo 1.7-9). Um grupo de adolescentes passou e, um dentre eles, zombeteiro, vociferou que era ateu. O irmão Johny cita o Salmo 14: "Disse o néscio em seu coração: 'Não há Deus'. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem." Falando ao microfone e os outros servos de Cristo glorificando em alta voz, mostraram as evidências da fé cristã no único e verdadeiro Deus. Em suma, cheio de vergonha, o fazedor de troças ficou rodeando, parou e assistiu à exposição do Santo Evangelho.

O Dc. Johny Mange orou através da divina revelação do Espírito Santo. Neste momento, as pessoas saíam das lojas e ficavam nas portas, uma vez que eram atraídas pelo poder da revelação. O Senhor revelava as pessoas dentro e fora do comércio. Dentre as muitas revelações, o Altíssimo revelou uma mulher com câncer no seio, que obteve a cura divina. Mostrou, também, um homem que havia perdido tudo nos jogos de azar. Na mesma hora, sua esposa gritou: "É o meu marido!" E ele confirmou a mensagem celestial, ao lado de fora dum açougue. Tais pessoas confirmavam e ficavam perplexas diante das revelações do Senhor. Almas rederam-se a Jesus. Muitos que passavam tiraram fotos para guardar de recordação.