©  by IFAP. All rights reserved.

Por Johny Mange

 

Introdução

 

                Jaz no mundo o espírito do Anticristo agindo ardilosamente nos últimos dias (1Jo 4.3; 2Ts 2.7); por consequência, antigas heresias estão sendo ressuscitadas por agora. Heresias de perdição — as quais defrontam a verdadeira natureza do único e verdadeiro Deus (2Pd 2.1-3; Jo 17.3) — logram muitos crentes aos seus pavilhões, fazendo-os negar a fé cristã, ortodoxa e tradicional. Esse é o caso das seitas que negam a Trindade e batizam apenas “em nome de Jesus”. Até certo ponto são agressivos em suas literaturas e programas radiofônicos; de mais a mais, arregimentam crentes de diversas denominações para as suas fileiras. No entanto, a doutrina de negar a Santíssima Trindade, a dizer que Pai, Filho e Espírito Santo são três modos ou manifestações de uma só pessoa, é um ressurgimento de uma doutrina do terceiro século, apregoada por um presbítero da Líbia, África do Norte, cujo nome era Sabélio (180–250).

                Tal doutrina foi combatida e reduzida a cinzas pela Igreja Cristã, porém ressurgiu e está em voga pelos adeptos de Sabélio, chamados de “sabelianistas”. Eles acresceram-lhe uma coisa: o batismo só “em nome de Jesus”, pois, como negam as Três Pessoas Divinas, crendo serem três nomes de uma só Pessoa: Jesus, é mais viável ministrarem o batismo assim. No entanto, o Senhor Jesus prometeu que nunca Sua Igreja há de ser dirimida (Mt 16.18; Ef 3.20,21).

                 Eles são chamados de “modalistas”, uma vez que acreditam que Pai, Filho e Espírito Santo não são Três Pessoas, mas três modos ou manifestações de uma só Pessoa. São unicistas, visto que, na Divindade, para os tais, existe apenas uma Pessoa. Portanto, sabelianistas, modalistas e unicistas são sinônimos duma mesma heresia — a doutrina diabólica do espírito do Anticristo que nega as Pessoas do Pai, do Filho e do Espírito Santo (1Jo 2.20-23). O “deus” cujo eles servem é um deus falso! E, para irem morar na Glória, precisam aceitar o Deus da Bíblia, que subsiste eternamente em Três Pessoas distintas: o Pai, o Filho e o Espírito! (Jo 17.3; 2Co 13.13).

                Será tratado também o falso batismo apenas “em nome de Jesus”. Batismo antibíblico e fraudador da autêntica fórmula batismal deixada por Jesus Cristo na Grande Comissão: “em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28.19), e, desde a ascensão de Cristo, esta ordem nunca foi revogada pela Igreja. Os argumentos engenhosos usados pelos modalistas estão respondidos biblicamente neste estudo. O batismo somente “em nome de Jesus” é uma extensão da doutrina sabelianista; todavia, bíblica e historicamente será desmascarado.

 

1 – Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo

 

              a) É mandamento do Senhor Jesus. Conforme o Santo Mandamento de Cristo Jesus, o batismo deve ser realizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado... (Mt 28.19,20). A palavra nome está no singular, porque significa um título para cada um. (Compare a palavra nome que está no singular em Rute 1.2: “o nome dos seus dois filhos”). A repetição da expressão “e do” mostra que cada um é respeitado como Pessoa em particular, dentro do Deus Único. O assunto em pauta é o batismo nas águas.[1]

 

               b) O batismo de Cristo: base para o batismo cristão. No batismo nas águas, estão presentes as Três Pessoas da Trindade, demonstrando união e harmonia com os novos convertidos. Isso é confirmado até mesmo no batismo de Jesus:

* O Pai no Céu, dizendo: “Este é meu filho amado, em quem me comprazo” (Mt 3.17);

* O Filho nas águas, sendo batizado, e

* O Espírito Santo em forma corpórea de uma pomba (Mt 3.16, Lc 3.21,22).

Portanto, está mais que fundamentada a fórmula batismal em nome da Trindade.

 

               c) Os cristãos seguem a ordem do Mestre Jesus. Quem é de Deus escuta as palavras de Deus, diz a Bíblia (Jo 8.47). Aquele que tirar quaisquer palavras das Escrituras Sagradas receberá a condenação (Ap 22.19). A ordem do batismo “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” partiu do próprio Cristo, e Ele diz: “Passará o céu e a terra, mas as Minhas palavras não passarão” (Mc 13.31). As ordens de Jesus nunca podem ser revogadas: “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til se omitirá da lei, sem que tudo seja cumprido” (Mt 5.18). Ele é a Cabeça da Igreja, Mestre-mor dos cristãos e estabeleceu ordens, em Sua Palavra, que devem ser seguidas, tal e qual o batismo “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (cf. Ef 1.22; Mt 23.10; Hb 1.1; Mt 28.19).

 

Voltar à Página Principal

 

Bibliografia

 

[1] HORTON, Stanley M. O que a Bíblia Diz Sobre o Espírito Santo. 5.ª Ed. Rio de Janeiro: CPAD, p. 120.

A Fórmula Batismal e o Desmoronamento da Doutrina Unicista