©  by IFAP. All rights reserved.

A ATUAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA GRANDE TRIBULAÇÃO

 

Por Johny Mange

 

 

Com o Arrebatamento da Igreja, os líderes da Igreja Deus É Amor alegam que o Espírito Santo será tirado; portanto, quem ficar na Grande Tribulação não terá chance de salvação, pois se o Consolador, que convence o homem do pecado, não estará mais na Terra, como as pessoas chegarão ao arrependimento que conduz à salvação?

 

          É verdade que o Espírito Santo será tirado, porquanto assim a Bíblia atesta (2Ts 2.7,8). Não obstante, “tirado” não é o sentido de Sua Pessoa Divina, Sua operação e Sua atuação serem extintas; isto é incabível! O Espírito do Senhor é Deus pleno e absoluto (At 5.3,4), e Seu poder é ilimitado! O Consolador é o “Espírito Eterno” (Hb 9.14). Uma boa exegese salienta que a Sua obra no Corpo de Cristo – a Igreja – se acabará, uma vez que, tragada pelo Arrebatamento (1Ts 4.16,17), habitará com Cristo na Glória, estando coroada na festa nupcial das Bodas do Cordeiro (Ap 22.12; 19.7-9). Isso é confirmado em Efésios 4.30, onde Ele está na Igreja até o Dia da Redenção, que é a ressurreição do corpo (Rm 8.11,23; 1Co 15.51,52). O agir direto do Espírito de Deus se encerrará, pois não haverá crentes santos, devotos e piedosos para que Ele se manifeste pelo ministério da Palavra, que é um dom dEle também (1Co 12.8). No entanto, o Espírito da Glória continuará agindo indiretamente como fazia no Antigo Testamento. A manifestação do Espírito do Senhor, pelo dom da Palavra e pelo dom de profecia, será em pessoas já especificadas no cronograma divino, cujo está predito nas Santas Escrituras. Sua ação será para quê? A fim de salvar o pecador e reconciliá-lo a Deus, mediante a obra perfeita efetuada na cruz! Trata-se duma verdade de Deus. Decerto, é fundamentada cabalmente:

 

          Primeiro, o Espírito Santo não agirá diretamente (por meio dos crentes), já que a Igreja foi arrebatada; entretanto, agirá indiretamente, pois Ele é Onipresente, ou seja, está presente simultaneamente em todos os lugares ao mesmo tempo; é Ubíquo: Para onde me irei do teu Espírito, ou para onde fugirei da Tua face? Se subir ao Céu, lá Tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que Tu ali estás também. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, até ali  a Tua mão me guiará e a tua destra me susterá. Se disser: Decerto que as trevas me encobrirão; então a noite será luz à roda de mim. Nem ainda as trevas me encobrem de Ti; mas a noite resplandece como o dia; as trevas e a luz são para Ti a mesma coisa (Sl 139.7-12).

 

          Segundo, o Senhor enviará duas testemunhas na Grande Tribulação. Ressalta a Escritura: “E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão...” (Ap 11.3). Ora, alguém só obtém poder através do Espírito, visto que Ele é a fonte do poder celestial: “Pelo poder dos sinais e prodígios, na virtude do Espírito de Deus” (Rm 15.19; cf. 1Ts 1.5); também profetizar é falar por parte de Deus, sendo a profecia um dom do Espírito Santo (1Co 12.10). E mais: O Espírito Santo, incontestavelmente, é o “Espírito de Profecia” (Ap 19.10). Confirmando isso: Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo (2Pd 1.21). Eles testemunharão o Senhor Jesus, tão cheios do Santo Espírito de Deus, que chegarão a atormentar os que habitam sobre a terra – povos, tribos, línguas e nações (Ap 11.7-10). E aí, como fica o argumento que o Espírito Santo não estará aqui mais? E agora? Confessamos a verdade, portanto, ou temos de rasgar isso da Bíblia... A única forma dessa verdade não ser negada é dizer que o Espírito do Senhor agirá na Grande Tribulação indiretamente.

 

          Terceiro, os 144 mil judeus pregarão em todo o mundo no período da Grande Tribulação: “Estes são os que seguem o Cordeiro para onde quer que vá. Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro” (Ap 14.4, grifo acrescido). Eles são assinalados, ou seja, “selados” (Ap 7.4-8). O selo de Deus, no Novo Testamento, é o Espírito Santo: Em quem também vós estais, depois que ouvistes a Palavra da verdade, o Evangelho da vossa salvação; e, tendo nEle também crido, fostes selados com o Espírito Santo da Promessa (Ef 1.13; 4.30 – grifo acrescido). Conseguintemente, terão o poder do Espírito do Alto para pregar; só Ele concede poder assim para alguém rodar o mundo a pregar o Evangelho: E recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até aos confins da terra (At 1.8). É a ação do Espírito indiretamente...

 

          Quarto, se não há salvação na Grande Tribulação, porque o Espírito Santo não estará mais na Terra, então, os crentes do Antigo Testamento também não se salvaram. Naquela época, Ele não estava derramado sobre todos, não; mas apenas sobre alguns. A Dispensação não era ainda a da Graça. Com efeito, o Espírito escolhia pouquíssimos servos de Deus (uma raridade) e descia neles unicamente. Dos milhões de servos de Jeová – antes do tempo da Graça – o Espírito do Senhor desceu somente em alguns poucos, ex.: José (Gn 41.38), Moisés e os 70 anciãos (Nm 11.17-25), Josué e Calebe (Nm 14.24; Nm 27.18); Otniel, Gideão, Jefté, Sansão (Jz Jz 3.10; 6.34; 11.29; 14.6,19), Saul (1Sm 10.10), Davi (1Sm 16.13), Elias (1Rs 18.12; 2Rs 2.16), Eliseu (2Rs 2.15), Zacarias – o sumo sacerdote (2Cr 24.20), Bezalel (Ex 31.2,3), Azarias (2Cr 15.1), etc. Ora, e todos os outros crentes do Antigo Testamento, por conseguinte, não se salvaram? Para onde eles foram, se não receberam o Espírito Santo? Para onde foram se o Santo Espírito não estava lá para convencê-los ao arrependimento? Pois é... Obtiveram, sim, a salvação, porquanto os sacrifícios de sangue do Tabernáculo e do Templo apontavam para a obra salvífica de Cristo, efetuada no Gólgota. Veja Hebreus 9.13-15. Logo, os intensos sofrimentos da Grande Tribulação: a abertura dos selos, o tanger das sete trombetas e o derramamento das sete taças da ira de Deus (Ap 6 – 19), não são para purificar os homens de seus pecados, mas manifestações plenas da ira do Todo-Poderoso (Ap 6.16; 19.15). A morte de Cristo tem efeitos eternos! É apenas o sangue dEle que purifica o mais vil transgressor (1Jo 1.7; Ap 1.5). Os que se converterem na Grande Tribulação serão salvos porque lavaram as suas vestes e as embranqueceram no sangue do Cordeiro (Ap 7.14). Quer dizer, aqueles que, nesse tempo, se arrependerem de seus pecados e se converterem – serão salvos pelo sangue do Senhor Jesus: a causa eterna de salvação (Ap 7.14), mas terão de pagar com a própria vida para manterem a sua salvação eterna (Ap 20.4); de fato, pagar com a vida há de ser o efeito que a salvação resultará (Ap 6.9-11); do contrário, terão de render-se aos caprichos do Anticristo e serem condenados eternamente. Veja Apocalipse 14.9-11.

 

          Quinto, mesmo sem o Espírito Santo na Terra (operando diretamente) o sangue de Cristo, que é a “a causa de eterna salvação” (Hb 5.9), continuará surtindo efeito para a salvar o pecador. Os efeitos da morte de Nosso Senhor no Calvário, mediante o sangue da remissão – a obra sacrossanta da expiação – são infindos! Até a Grande Tribulação louva o sacrifício de Jesus, a chamar-se “ira do Cordeiro” (Ap 6.16). No Céu, os santos glorificados louvarão perpetuamente hinos à obra efetuada pelo Cordeiro de Deus. Veja Apocalipse 5.6-13.

 

          Sexto, pode-se perguntar: “Nos dias de hoje, estando o Espírito Santo agindo na Terra (digamos diretamente – pela pregação dos crentes), já está difícil de alguém aceitar Jesus, imagine naquele tempo de angústia e dor?” Baita tolice! Argumento de gente insana e desprovida de bom-senso! Não podemos querer dar uma “ajudinha” na forma que Deus age para alcançar um perdido. Os nossos pensamentos não são os pensamentos de Deus (Is 55.8). E mais: Ai daquele que contende com o seu Criador! o caco entre outros cacos de barro! Porventura dirá o barro ao que o formou: Que fazes? (Is 45.9). Os gentios de todas as nações, tribos, povos e línguas (Ap 7.9), deixados na Terra e despertados pelo Arrebatamento dos Fiéis, depois de se purificarem no sangue do Cordeiro (Ap 22.14) e forem martirizados por razão de sua fé (Ap 20.4; 6.9-11), aparecerão no Céu, salvos da Grande Tribulação (Ap 7.14).

Finalmente, o Santo Evangelho será apregoado pelas 2 Testemunhas, pelos 144 mil selados e até por um anjo. Confira Apocalipse 11; 14.1-6. O Evangelho é poder de quê? Leia Romanos 1.16, e diga... Além do quê, individualmente, há os testemunhos dos crentes rebeldes que ficaram, pois, quando fiéis, provaram o dom celestial, contemplaram e ouviram as maravilhas do Altíssimo, foram participantes do Espírito Santo, provaram a boa Palavra de Deus e as virtudes da eternidade... O Espírito obrará indiretamente, não neles; porém, sobre eles. Em cima de tudo isso, uma grande multidão será salva, a qual ninguém poderá contar! (Ap 7.9-17). Aleluia!