©  by IFAP. All rights reserved.

A Ligação do Natal com o Paganismo de Yule

 Por Johny Mange

 

Introdução

 

           Já sabemos, com base na história, e totalmente fundamentada, que a data que associaram ao nascimento do Senhor Jesus — 25 de dezembro — foi determinada em volta de 313, de nossa era, pelo imperador Constantino, que outrora era conhecida por um destes nomes: "Festa Mitraica" ou "Nascimento do Sol Invencível" (Natalis Solis Invicti), tendo ligação com outras festas pagãs celebradas no final de dezembro: "Brumália" e "Saturnália". Tal data teve seu estopim em Ninrode — bisneto do patriarca Noé (Gn 10.8,9) —, que teve filho com a sua própria mãe, Semíramis. Através desse ato incestuoso, sujo e nojento, nasceu Tamuz, o qual foi denominado como reencarnação de Ninrode, dando origem ao deus-sol. A crença e a festa de adoração ao deus-sol (cf. Ez 8.14-16), que se propagou sobre todo o mundo, fazia parte da lista das festas das culturas e civilizações pagãs. Ela apenas mudou de nome conforme cada cultura; vez por outra recebeu outras atribuições, contudo, o "mistério da mãe e da criança" estava presente e a criança era aclamada como o deus-sol; a exemplo:

 

  •  Na Babilônia — Tamuz;

  •  No Egito — Hórus;

  •  Em Canaã — Baal;

  •  Na Grécia — Eros;

  •  Em Roma — Júpiter;

  •  Na Pérsia — Mitra;

  • Entre os povos celtas — Odin.

 

           Os nomes do deus-sol mudavam de acordo com as culturas e povos; todavia, a festa seguia os rituais de inverno ou os do sol, conforme cada lugar, a serem comemoradas, com maior expressividade, nos últimos dias de dezembro.

           De fato, a data de 25 de dezembro não é referente ao estrito aniversário cronológico de Nosso Senhor Jesus, mas, sim, a substituição — a fim de consolidar o Cristianismo — das antigas festas pagãs, em que estes tributavam homenagens e oferendas às falsas divindades do Oriente. É uma cristianização de festas pagãs.

Outrossim, expressavam a amálgama das festividade, de acordo com os parâmetros de assimilação religiosa adotadas por Constantino. 

           Mas, além disso tudo, a comemoração do Natal também possui forte ligação com Yule.

 

 

2 – O Dia de Yule

 

           a) O que representa Yule. Yule era comemorado terminantemente pelo paganismo das bruxas, magos, feiticeiros e encantadores dos povos nórdicos (povos da Escandinávia: Noruega, Finlândia, Suécia, Suíça, etc.). Era o festival mais importante nos países nórdicos, pois comemorava o nascimento do menino, deus-sol, do útero da noite mais longa do ano por causa do solstício de inverno, no hemisfério norte. Ou seja, na noite mais escura e fria do ano, a deusa dá à luz a criança do Sol e os pagãos criam que as esperanças renasciam, já que o deus-sol traria calor e fertilidade à Terra. Yule celebrava o deus-cornígero (semelhante a animal que tem hastes,

tentáculos e antenas em forma de corno). Nesse dia, muitas tradições pagãs se despedem da deusa e dão boas-vindas ao deus-sol, que governará a metade clara do ano.

           Por meio do Yule, o Natal (da maneira que hoje é conhecido) passou a ser propagado nos quatros ventos da Terra. Até hoje, em algumas culturas, a expressão ―dia de Yule‖ ainda é utilizada como sinônima do Natal. Visto que o Yule acontecia na noite mais longa do ano, também era conhecido como o "Festival das Luzes", pelo fato de serem acesas várias velas nessa noite.

           Na antiga Roma, era chamado de "Festa Mitraica" ou Natalis Solis Invicti — "Nascimento do Sol Invicto" — e ocorria durante a Saturnália, festival que sucedia no solstício de inverno do hemisfério norte, isto é,

no tempo em que o sol se achava afastado da linha imaginária ao redor da Terra (equador), por volta de 17 a 24 de dezembro. Por consequência, dia 25 de dezembro, comemorava-se, portanto, o novo nascimento do Sol, pois acreditavam que ele havia ressurgido. Do dia 25 em diante, dizem os adoradores da Natureza, o Sol estaria "renascendo", daí as festividades nessa data, comemoradas até hoje pelos remanescentes druidas, pelos wiccas e outras seitas pagãs adoradoras da mãenatureza, que existem e crescem rapidamente, inclusive no Brasil.

           A ênfase do Yule está no recém-nascido deus-sol, já que a mãe-terra é honrada com a "Madona", italianismo que significa "minha senhora" — a mãe com filho no colo. Esse é o estopim da "mariolatria"

expressada pelo Catolicismo. De modo que, por intermédio dele, desvendou-se o mistério da madona e da criança nos dias atuais; por isso, vemos nas imagens das supostas aparições de Maria com o Menino Jesus nos braços, tal como a Senhora do Bom Parto, Senhora da Defesa, Senhora Auxiliadora, Senhora da Cabeça, Senhora dos Prazeres, Senhora Mãe Rainha, Senhora do Monte Serrat, Senhora da Abadia, Senhora da Lapa, Senhora de Nazaré, Senhora do Desterro, Senhora da Penha, Senhora da Luz, Senhora do Amparo, Senhora do

Bom Sucesso, Senhora do Carmo, Senhora das Candeias, etc. Tudo isso é herança do paganismo. Os costumes das nações — a madona e a criança — impetrou-se na Igreja Romana (Jr 10.2,3). Ainda chamam Maria de "rainha do céu" da mesma forma que Astarote era chamada pelos pagãos (Jr 7.18). A mariolatria é condenada pelas Escrituras (Lc 11.27,28; Jo 2.5). Só Deus deve ser adorado (Mt 4.10), uma vez que não divide a Sua glória com outro (Is 42.8). Jesus é o único medianeiro entre Deus e os homens (1Tm 2.5; Jo 14.6).

           No hemisfério norte, o Yule acontece entre o dia 22 e 23 de dezembro; logo, os festejos do Natal e a forma como é comemorado foram inspirados no Yule; também no Nascimento de Mitra (o Sol Invicto), na Brumália e na Saturnália — festas pagãs comemoradas nos últimos dias de dezembro.

           O Imperador Constantino — fiel e devoto seguidor do deus-sol Mitra — decretou, em 313 d.C., que o dia 25 de dezembro seria a data do nascimento de Jesus. Fez assim porque o aniversário do "Sol Invencível" — Mitra — era comemorado dia 25 de dezembro. Ao passo que a Enciclopédia Barsa atesta que a festa do Natal foi decretada oficialmente à Igreja pelo bispo romano Libério, no ano 354 d.C.; isto é, mais de 200 anos após a morte do último apóstolo, João.

 

           b) A ligação de Yule com o atual Natal. É impossível discutir as tradições de Yule sem mencionar o Natal. Quando o Catolicismo tentava se consolidar na Europa, absorveu várias práticas pagãs para que não

fosse tão ofensivo à fé e às crenças comuns dos europeus. Por isso, tanto a data quanto inúmeros costumes de Yule foram absorvidos pela Igreja de Roma e aplicados à festa do nascimento de Jesus, para que, assim, houvesse ligação com as outras crendices, tivesse fácil aceitação e disseminação entre a sociedade europeia.

           O Natal cristão já foi festejado em várias datas diferentes no decorrer dos séculos, mas se estabeleceu no dia 25 de dezembro, pois associou a si vários costumes e datas das antigas celebrações da "Festa Mitraica" ou "Nascimento do Sol Invencível", "Brumália" (25 de dezembro), Yule (22 e 23 de dezembro) e "Saturnália" do solstício de inverno, que ocorria em torno de 17 a 24 de dezembro, no hemisfério norte. Por conta disso, hoje em dia, há muitas práticas utilizados no Natal que possuem origens essencialmente pagãs.

 

           c) É certo tentar ligar o nascimento de Cristo com festas pagãs, a fim de tentar suprimi-las? A Bíblia responde! Ligar Yule, Saturnália, Brumália e o Nascimento do Sol Invencível com o nascimento do Cristo de Deus, foi um erro crasso! Não adianta o cristão se unir, desejar praticar rituais e possuir o mesmo modo de viver dos incrédulos para ganhá-los, visto que o Evangelho é ― "boa nova", ou seja, renúncia: E, chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disselhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me. Porque qualquer que quiser salvar a sua vida perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará (Mc 8.34,35). Aquele que quiser servir a Jesus tem de tornar-se uma nova criatura, lançando fora seus pecaminosos hábitos: Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano, e vos renoveis no espírito do vosso sentido; e vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade (Ef 4.22-24). Não pode haver ligação da fé cristã com práticas pagãs (cf. 2Co 6.14-17; Jr 10.1-3). Além do mais, quem convence o homem do pecado, sem sombra de dúvida, é o Espírito Santo (Jo 16.8).

 

 

3 – Atividades de Yule transportadas ao Natal

 

a) A Árvore de Yule se transformou na Arvore de Natal

           As famílias traziam uma árvore verde para dentro de casa a fito de que os espíritos e fluídos da natureza tivessem um lugar confortável para permanecer durante o inverno frio, e dedicava-a à deusa-mãe. Tal árvore era decorada com velas, comidas, bolas coloridas, que — além de ser símbolos fálicos (ou falos), os quais definitivamente representavam a imagem do órgão genital masculino em ereção, como símbolo da fecundidade da natureza, e objeto de culto — representavam os símbolos do sol, da lua, das estrelas e das almas que já partiram, de sorte que são lembrados no final do ano. Na ponta da árvore, fixavam um pentagrama — símbolo da bruxaria.

           Fora de dúvida, a "árvore de Yule" é a mesma "árvore de Natal" que está nas casas, nos jardins, nas lojas, nos consultórios, nas praças, nos shoppings, nas escolas, nos púlpitos das igrejas, nos saguões, etc.; igualmente abarca todos os símbolos e atavios dedicados a Satanás, na bruxaria. Essa é a mesma "árvore de Yule", que, também, conforme outras culturas, retratava um ornamento ao deus-sol; ou seja, é oferenda a Baal; é oferenda a Tamuz; é oferenda a Hórus, é oferenda a Mitra; é oferenda a Júpiter; é oferenda a Eros; é oferenda a Odin...

           Portanto, a Palavra de Deus ordena a destruição do "ídolo do bosque", "ou poste-ídolo", quer dizer, das árvores que os pagãos cultuavam e davam oferendas: um nítido costume diabólico! (2Rs 23.7,15; Dt 12.2,3;

Dt 16.21,22; Jr 10.3). Mas os seus altares transtornareis, e as suas estátuas quebrareis, e os seus bosques cortareis (Ex 34.13).

           Quem serve ao Senhor Jesus, é intimado pelo Deus da Bíblia a arrancar esse ídolo maldito de seu lar, e ponto final.

 

b) Azevinho e guirlandas anunciavam a chegada de Yule

           Azevinho também é conhecido como "azevim, azevinheiro, picafolha, árvore sagrada e espinho-de-cristo", cujo possui folhas verdeescuras e bagas vermelhas. Junto com a guirlanda (coroa ornamental feita de flores, frutas e/ou ramagens entrelaçadas), na porta principal da casa, anunciavam a chegada do deus-sol, menino, na noite mais escura do ano. Do mesmo modo, atualmente, o azevinho e a guirlanda, pendurados nas portas principais e à vista de outras pessoas, anunciam a chegada do Natal. E o que representa o azevinho e a

guirlanda hoje? A mesma coisa do passado, pois nada mudou!

          Quem pendura nas portas o azevinho e a guirlanda, está dizendo que serve ao deus-sol, e o espera do mesmo modo que, em Yule, o aguardavam na noite mais escura do ano! É um costume pagão transportado para o outro! Em Deuteronômio 32.16 e 17 está escrito: "Com deuses estranhos o provocaram a zelos; com abominações o irritaram. Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; aos deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, aos quais não temeram vossos pais".

 

c) Os sinos de Yule

           Em Yule, tocavam-se sinos naquela noite a fim de homenagear as fadas. No Natal, à meia-noite, soam-se sinos para anunciar o "nascimento de Jesus".

           Copiar o "nascimento de Jesus" de festividade diabólica e conduzir os costumes pagãos para celebrá-lo é morrer em vida! A bastonada da Palavra de Deus é dada sobre os contumazes no pecado (insistentes em cometer um erro e obstinados nessa prática do mal): "Assim diz o Senhor: Não aprendais o caminho das nações [...] porque os costumes dos povos são vaidade" (Jr 10.2,3); "Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei" (2Co 6.17).

           Não foram sinos que anunciaram o nascimento do Salvador, mas os anjos apregoaram-No nos Céus (Lc 2.10-15). Contudo é impossível pensar que os anjos, cujos são obedientes ao Senhor (Sl 103.20; Jd v.6; 1Pd 3.22) e santos (Mc 8.38; Ap 14,10; Lc 9.26), terão parte nessa pouca-vergonha! Antes, condenarão essa comemoração anticristã e pagã do Natal! Sinos que soam para convocar "fadas" — espíritos de adivinhação e de encantamentos (At 16.16; Lv 19.31), os quais o Deus da Bíblia chama de "demônios", não podem, nem de longe, ser associados ao nascimento do Senhor Jesus.

          Concernente a isso, a posição que o cristão deve tomar está em Josué 24.15: "Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao SENHOR".

 

d) Troca de presentes em Yule

           Cada qual trocando presentes entre si, que serviam de oferendas às divindades na noite mais escura do ano. Esse costume era normal suceder no solstício, tanto na Saturnália quanto no "Nascimento do Sol Invicto" (Natalis Invicti Solis), bem como em Yule. Esse costume transportou-se para o Natal, recebendo os nomes de "amigo-secreto" ou "amigo-oculto".

          A "Biblioteca Sacra", Volume XII, pp. 153-155, diz que relativamente à "troca de presentes entre amigos [...] os cristãos seguramente copiaram a troca de presentes dos pagãos". Posto que pareça uma comemoração familiar — ou entre amigos — inofensiva, trata-se de um costume ímpio de oferenda aos demônios; portanto,

inacessível aos cristãos que professam a fé no Deus da Bíblia, cujo é "o Deus grande, poderoso e terrível" (Dt 10.17).

          E acerca do "amigo-secreto" — esta troca de presentes: oferendas ao deus-sol, no Yule, na Saturnália, etc., o Altíssimo assevera: "Guarda-te, que não te enlaces seguindo-as, depois que forem destruídas diante de ti; e que não perguntes acerca dos seus deuses, dizendo: Assim como serviram estas nações os seus deuses, do mesmo modo também farei eu. Assim não farás ao SENHOR teu Deus; porque tudo o que é abominável ao SENHOR, e que ele odeia, fizeram eles a seus deuses; pois até seus filhos e suas filhas queimaram no fogo aos seus deuses" (Dt 12.30,31).

 

e) Cantatas de Yule

           Sobre os presentes e sobre a colheita, as cantatas de Yule eram realizadas com a comunidade ou com a família, como forma de proferir bênçãos durante o solstício, para que a colheita crescesse abundantemente, a rogar o socorro dos deuses. Além do mais, as cantatas de Yule homenageavam o nascimento do deus-sol, menino, nascido na calada da noite; por conseguinte, festejavam com cantos e euforia — os bruxos e feiticeiros nórdicos. Igualmente, em Roma, em 25 de dezembro, dia do nascimento do Sol Invencível, Mitra, realizava-se

rituais de culto a esse falso deus e eram cantados hinos em homenagens a ele. Também usavam-se sinos, velas, incenso e água benta.

           As cantatas de Yule e as cantatas de Mitra representam as mesmas cantatas que as igrejas realizam na atualidade. Sob a alegação de estarem louvando o nascimento de Jesus, pensam estar certos e vivenciar a mais pura visão do que Cristo almeja à Sua Igreja; todavia, decerto, andam de mãos dadas com o mundo e com o paganismo que foi inserido entre os cristãos. Estão retrocedendo. De maneira que recebem a reprovação do Senhor Jesus e a reprovação daquilo que fazem: Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do

mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da

justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado (2Pd 2.20,21).

           Consoante apresentado nesses estudos e de muitos outros servos de Deus pelo mundo afora — fracas vozes que clamam no deserto perante milhões de vozes altas e fortes, que, por todos os lados, disseminam enganos, e escondem propositalmente essa verdade (Is 40.3; Jo 1.23) — quem conhece a história suja, maldita e herética que foi o fator preponderante para a atual comemoração do Natal, jamais deixaria se contaminar por essa imundícia e engodo de Satanás: E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável,

perfeita vontade de Deus (Rm 12.2).

           Já foi mostrado o que existe por trás desse quadro cujo tem levado milhões de pessoas, há séculos, a adorar, honrar e glorificar (no dia 25 de dezembro) — mesmo que não intencionalmente —, a um ídolo pagão, e não a Jesus Cristo!

           Quem ensaia entusiasmadamente e "solta a voz" nas cantatas de Natal — além de estar enganado quanto à realidade dos fatos que originaram o Natal, ou propositalmente tapa o Sol com a peneira — ainda por cima, recebe a reprovação do Todo-Poderoso por tais cânticos, pois, na certa, o Santo dos santos não recebe essas cantatas: "Aborreço, desprezo as vossas festas, e as vossas assembléias solenes não me dão nenhum prazer. Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos; porque não ouvirei as melodias dos teus instrumentos" (Am 5.21,23).

           Não é errado louvar o nascimento de Jesus; os Céus assim o fizeram (Lc 2.13,14). O problema é o dia em que supostamente querem louvar, já que durante todo o ano podem fazer. Além de originar-se no paganismo, na idolatria e na bruxaria, a ênfase maior do Natal não é o Senhor Jesus, mas o Papai Noel, Árvore de Natal, guirlanda, amigooculto, etc. E até mesmo, em muitas dessas cantatas, vestem-se de vermelho, com a presença de árvores, pisca-pisca, estrelas, Papai Noel, etc. Isso é Cristianismo? Não, mil vezes não! É associação com o

paganismo, a idolatria e a bruxaria! E o Deus do céu não se deixa escarnecer! (Gl 6.7). Devemos ser santos, isto é, consagrados tão somente para o Todo-Poderoso e nos separarmos das práticas dos povos contrários ao Santo de Israel (Lv 20.26).

 

CONTINUAÇÃO